quarta-feira, 21 de maio de 2014

Resenha: Boneco de neve, Jo Nesbo, Record

Esse livro me chamou a atenção pela capa, e, claro, pela crítica do The Guardian que vem estampada abaixo do nome do autor: "Macabro e perturbador. O livro mais ambicioso de Nesbo". Assim que li a sinopse e percebi que havia um serial killer na história, decidi que iria lê-lo. Sou fascinada por estórias que envolvem psicopatas e serial killers há algum tempo. E quando um livro é caracterizado como macabro e perturbador, é porque o assassino da estória deve ser muito, muito mau. 
Sinopse: Considerado seu livro mais ambicioso pelo jornal inglês The Guardian e comparado a Silêncio dos Inocentes, de Thomas Harris, pelo The Times, Boneco de neve é o seu livro mais arrepiante. No dia da primeira neve do ano, na fria cidade de Oslo, o inspetor Harry Hole se depara com um psicopata cruel, que cria suas próprias regras; O terror se espalha pela cidade, pois um boneco de neve no jardim pode ser um aviso de que haverá uma próxima vítima. No caso mais desafiador da sua carreira, Hole se envolve em uma trama complexa e mortal, com final surpreendente. 
Fonte: http://www.skoob.com.br/livro/346819-boneco-de-neve

"Boneco de Neve" na verdade é o 7º livro de uma série escrita por Jo Nesbo sobre um policial de Oslo, Harry Hole, que é um dos personagens mais durões e interessantes que eu tive o prazer de conhecer. Mas apesar de fazer parte de uma série, Nesbo consegue tornar cada um dos seus livros independentes, embora suas tramas sejam muito bem "costuradas" uma à outra. Ou seja, consegui ler e entender muito bem esse thriller sem ter lido os outros livros sobre Hole. 

O inspetor Hole é um cara muito, muito complicado. Alcoólatra e solitário, é o tipo de cara que vive quebrando as regras e burlando as ordens dos seus superiores. Por outro lado, é um detetive talentosíssimo, policial dedicado e muito honesto. Separado da mulher que ama por causa do seu alcoolismo e tentando manter a relação de pai e filho que construiu com seu enteado, de repente tem que lidar com o fato de ela agora tem um outro cara, que parece ser um cara perfeito: exatamente o oposto de Hole. 

Mas esses são apenas detalhes - ou não - para o pano de fundo da trama desse livro: o primeiro serial killer da Noruega dá as caras em Oslo e começa a assassinar mulheres com requintes de crueldade e, em cada cena do crime, há um boneco de neve cuidadosamente montado ali. A experiência de Hole com assassinos em série (pois, em um livro anterior, ele caça e mata um serial killer na Austrália) faz com que seus superiores o deixem à frente da investigação, à revelia de seu comportamento problemático.

Nesbo é um excelente escritor. O texto flui muito bem, ele sabe como criar uma atmosfera de muito suspense e, o melhor, sem as obviedades que permeiam a literatura policial. Todos os personagens foram muito bem construídos e têm uma importância para a trama: nada foi colocado lá sem alguma boa razão. E Harry Hole é, na verdade, um anti-herói, e por isso mesmo ele é tão charmoso e fica quase impossível não amá-lo e torcer para que cada passo seu não seja em falso.

O livro descreve algumas cenas chocantes, mas sem exageros. O livro não respinga sangue. O assassino em série aqui é original e não deixa a desejar. De fãs de Búfalo Bill em "O silêncio dos inocentes", de Thomas Harris, a fãs da série "Dexter" vão adorar esse serial killer que é metódico, inteligente, organizado e muito criativo: afinal de contas, um boneco de neve é uma assinatura bem original!

Fiz um post há algumas semanas sobre o autor Jo Nesbo, que foi uma das melhores descobertas literárias que fiz neste ano. Recomendo fortemente os livros dele e que se comece por "Boneco de neve", que, na minha opinião, é o 2º melhor livro dele dos cinco que li, perdendo apenas para "Headhunters", que terá, em breve, sua própria resenha aqui;

Nota:



Que você se delicie com o thriller psicológico desse autor norueguês danado de bom!