sábado, 11 de outubro de 2014

Resenha: Harry Potter e a Pedra Filosofal, J. K. Rowling, Rocco

Finalmente li o primeiro livro da saga Harry Potter. Da mesma autora, J. K. Rowling, eu já havia lido “Morte súbita” e “O chamado do cuco”, cujas resenhas você pode conferir aqui e aqui, respectivamente. E como gostei muito desses livros, que têm temática adulta, decidi dar uma chance à história do bruxinho mais famoso de todos os tempos. Não me arrependi.

Sinopse: Harry Potter é um garoto comum que vive num armário debaixo da escada da casa de seus tios. Sua vida muda quando ele é resgatado por uma coruja e levado para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Lá ele descobre tudo sobre a misteriosa morte de seus pais, aprende a jogar quadribol e enfrente, num duelo, o cruel Voldemort.
Fonte: http://www.skoob.com.br/livro/108


Confesso que tinha meus preconceitos em relação a Harry Potter, por algumas razões: por ser um livro originalmente escrito para crianças, pela temática e por ter feito tanto sucesso. Sim, antigamente eu pensava que tudo que fazia muito sucesso não prestava. Que bobagem. Mas, ao ler o livro, descobri cada uma das razões que levaram milhões e milhões de pessoas a se tornarem fãs da saga e a continuarem fãs mesmo depois de adultos – no caso daqueles que acompanharam a saga desde pequenos.

“Harry Potter e a Pedra Filosofal” é um livro extremamente bem escrito (J. K. Rowling realmente é uma excelente escritora), divertido, com ótimos diálogos, personagens maravilhosamente bem construídos e uma história consistente, mesmo sendo cheia de reviravoltas. Apesar de ter sido escrito para crianças, a exemplo de “O hobbit” de Tolkien (sem querer comparar em termos de importância), tem maturidade e profundidade suficientes para ser lido e apreciado por qualquer adulto.

Ao ler este livro senti nostalgia da infância e lamentei não tê-lo lido quando era criança. Se adultos como eu ficam encantados com Harry Potter, fico me perguntando como deve ser a experiência de uma criança de 10 anos ao ser apresentada a uma narrativa tão singela, inteligente e comovente. Agora consigo entender a importância que a saga teve para a minha geração.

Não vi nenhum ponto fraco no livro e recomendo a qualquer pessoa, de qualquer idade, que o leia. Se você tem preconceito em relação à saga como eu tinha, deixe-o de lado e dê uma chance. Provavelmente, assim como eu, você dificilmente se arrependerá.

Nota: